Levanta-se
uma Serenidade em chão
e ela habita
o céu da boca

e Ela remove o limo
que nos cobre
as gargantas

Não se podem ouvir rumores
de vez que já foram esquecidos
e ergue-se a face
de queixo largo
e olhos límpidos

os espíritos errantes falaram
e beberam um pouco

Levanta-se
uma Serenidade em terra
e expira-se
a ira
de vozes em vão

e calam-se os ventos
mas veleja a brisa

Toma-se a mão
e verte-se a lágrima
calma
e branca

os tendões estão firmes
os pés estão firmes

levanta-se
uma Serenidade

Sobre Arthur IV

Inquieta mente | crente | descrente... Ver todos os artigos de Arthur IV

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: