Alfarrábios (VII)

Seguindo com as reedições, o post que vem hoje nada mais é do que um devaneio longínquo que foi ironicamente intitulado Fato. Espero que evoque coisas boas, coisas ruins, mas, principalmente, que faça refletir. Sempre na busca pelo “ser melhor”. Cada um com o seu pensamento. Cada um com o seu fato.

=====

Inquietude III (Fato)

Belo Horizonte, 18 de janeiro de 2005 – 02:35

Olhos marejados, fitou o horizonte como se buscasse alguma solução para sua angústia reprimida. Não encontrou. Lentamente, foi retomando o foco, observando, à sua frente, aquele mesmo Café. O mesmo em que, algumas vezes, estiveram juntos, falando sobre a vida ou rindo das banalidades que ela proporciona. Lembrou-se das conversas, dos chopes, dos cafés. Sentiu-se pequeno.

Alguma coisa o incomodava entre a sua aparente insignificância e a importância de seus atos diante do aprendizado de quantos lhe cercavam e, sobretudo, dele mesmo. Absorto, não via, senão, o passado recente, em que algo lhe fustigava a alma, obrigando-o a refletir. Mais uma vez, a verdade havia sido preferida, em detrimento das conseqüências imediatas. Lembrava-se daquela comparação com o diamante: a jóia mais rara, mais brilhante, mais pura e mais valiosa, porém, a mais dura. Mesmo assim, não omitiu.

Sabia que aquele ato podia lhe custar muito, embora a muitos parecesse banal, à primeira vista. “Afinal, cada um tem o direito de pensar como quer”, era o que acreditava. O que lhe entristecia não era o fato em si, mas o que ele provocara, esmiuçando as mais expostas inferioridades do ser humano. Em todos, o orgulho, o egoísmo, a individualidade levada ao extremo. Em todos, a ignorância do que era mais importante.

“É essa a conveniência do livre arbítrio”, pensava consigo. Mas continuava a crer que o “algo maior” deveria prevalecer. E prevalecia. Não deixou de assumir o que lhe competia, encarando o erro como possibilidade de crescimento. Era assim que devia ser. Então, se perguntou onde estaria o equívoco. Não soube ao certo responder. No fundo, sentia uma enorme contradição: havia ou não caído em desatino? Preferiu deixar a cada um decidir como enxergar.

Algum tempo depois, conversaram. Viu que ambos, de certa forma, imputavam-lhe algum deslize, embora em ângulos diferentes. Concluiu, então, que, ao mesmo tempo, errara e acertara. E lembrou-se daquelas primeiras aulas de Física, em que a professora garantira que o movimento “depende do referencial”. Desde aquela aula, aquilo ficou marcado e ele compreendera melhor (mas não totalmente) o que era o tão controvertido “ponto de vista”.

Por instantes, sentiu-se saudável, acreditando que as divergências que constroem o mundo são necessárias para que ele alcance um patamar superior. Durante aqueles dias, havia sido apoiado por amigos, simplesmente porque o amavam e nada mais. Podiam até mesmo discordar do que ele havia proposto, da forma como pensava ou agia. Mas o amavam e isso bastava para que o compreendessem.

Alguns dias depois, falou. Falou e ouviu. De segundos, de terceiros. Refletiu mais um pouco e, nem de longe, sentiu-se mais íntegro. Porém, vislumbrou novos caminhos, novas possibilidades. É que ele acreditava realmente que o amor, o verdadeiro amor, aquele que buscava com todas as suas forças, venceria os convencionalismos, embora essa crença fosse o clichê mais comumente usado nas situações difíceis.

Nesse momento, parou de problematizar. Preferiu deixar os corações e mentes alcançarem sua própria plenitude de acordo com o tempo – aquele elemento que o homem criou para medir razão e sentimento – que vai passando sem avisar e, sem esperar ou parar, continua seu caminho pela eternidade. Então, reuniu os fragmentos de sua angústia e decidiu viver, amar e buscar aquilo que os homens ainda não encontraram: a felicidade. Nesse momento, voltando a si, sorriu, certo de que o mundo nada mais é do que o reflexo dos nossos próprios pensamentos.

18/01/2005 – 03:13

(Publicado originalmente às 10h49 de 18/01/2005, em http://marcosarthur.blogspot.com.)

Sobre Arthur IV

Inquieta mente | crente | descrente... Ver todos os artigos de Arthur IV

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: